quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Minorias Sociais


Por: Marcelo Montebras

A Principio esta postagem se chamaria "Minorias Sociais: Justiça ou Vingança", mas achei o titulo muito agressivo e com certeza alguém se ofenderia (se é que não se ofendeu agora). Bem, este termo, "minorias sociais", já é um termo "ofensivo" por si só, ele da ideia de rejeição ou algo parecido, mas não conheço nenhum outro que possa substitui-lo, então vai este mesmo.

Estes dias eu fiz um comentário no Facebook e recebi criticas construtivas e destrutivas, a frase foi:

"Minorias: Afinal, o que vocês querem? 
Direitos iguais ou "o direito de serem superiores"???? Decidam-se!"

Deu muito trabalho pra explicar isto, mas creio ter sido conseguido consertar o que, a primeira vista parece ser discriminatório. Bem, posso garantir que não.

Sabemos que a sociedade vem atuando de forma discriminatória por muitos e muitos seculos, sendo assim consertar isto não será tarefa fácil  mas sim um desafio a longo prazo. Infelizmente a vitoria sobre a discriminação/preconceito em relação aos que pertencem a um grupo dito "minoria" não vai acontecer da noite para o dia, sejamos sensatos. Uma pessoa que pertence a um grupo deste, é evidente, não está satisfeita com tanta humilhação e em busca de sua igualdade reconhecida se torna altamente agressiva, é este o ponto que eu quis tocar, esta agressividade desmedida apenas servirá para que surjam grupos de imbecis com finalidades opostas, vejamos como exemplo uma parcela de idiotas que querem fazer valer o "Orgulho de ser Hétero", meu Deus do céu, nunca vi tanta mediocridade, pra que serviria algo deste tipo? Apenas pra crermos cada vez mais que viver em sociedade é algo abominável!

O que dizer de um homem que acha que uma mulher só serve pra lavar, passar, cozinhar e servir a seus caprichos sexuais? Um ser deste é um infeliz, um otário de marca maior, pois as mulheres são maravilhosas e muitas delas são mais competentes que muitos homens. Agora mudemos o foco, se uma mulher diz que nós, homens só servimos pra abrir vidros de azeitonas e transar, eu com certeza me sentirei ofendido, porque sei que como homem não tenho apenas estas utilidades, porém, muitas mulheres levantam a bandeira de que "rebaixar um homem é legal!".

Já um outro assunto muito polemico é a questão das costas raciais, e eu falarei rapidinho, isto é uma especie de "racismo", se alguém precisa de uma força externa pra conseguir algo é porque por si mesma não seria capaz de conseguir, e é isto que estas cotas pregam de forma bem singela. Eu defendo a teoria de que não existem "raças", pode existir cor da pele, mas raça só há uma, a raça humana. 

O que tem acontecido, é uma grande revolução, mas pautada na vingança e não na justiça. Muita gente, de repente até de forma inconsciente, quer tornar estas "minorias" em "detentoras de poder" e submeter os seus opositores a duras penalidades, como uma forma de compensar o tratamento que receberam ao longo do tempo, uma especie de vingança, como se isso fosse apagar as magoas causadas pela ignorância alheia. Justiça é a base da harmonia, é o equilíbrio e vingança o desequilíbrio, a desordem. Este desequilíbrio (a vingança) não fará nenhum grupo melhor, apenas o tornará tão idiota quanto os que o discriminaram. Com isso não quero dizer aqui que não se manifestem, a manifestação é a arma do povo, mas sim que esta manifestação seja pautada no objetivo perseguido, igualdade!

Fraterno abraço.

----------------------------------------------------

PS: Eu aqui abro um parenteses para explicar que poderia me considerar "minoria", pois tenho pouco mais de um metro e meio, e é claro, já sofri preconceito. Sabemos que homens de baixa estatura são muito discriminados, claro que com menor frequência que outros grupos, mas vejamos: estamos fora do "padrão" de beleza social, não somos aceitos nas forças armadas por duvidarem da nossa força física, sem contar as piadinhas, entre outras situações vexatórias... Passei por muitas situações difíceis na adolescência, mas depois consegui rir e superar isto tudo. Hoje em dia considero tudo como o que de fato é, uma tremenda brincadeira, algo até mesmo carinhoso em alguns momentos. Foi fácil pra mim superar isto, mas não quero aqui dizer que você tenha que fazer o mesmo, cada um é "cada um" e somente a pessoa sabe se consegue ou não superar algo desta natureza, pois sabe o tamanho do incomodo que isto trás para si. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário