sábado, 10 de novembro de 2012

O filhos bastardos do Homem


Por: Marcelo Montebras

Macaco, o "filho bastardo" do Homem

Um assunto já a muito conhecido pelo pelo pessoal que estuda esoterismo/ocultismo, mas que ainda é de desconhecimento da maior parte da população... 

Seria o homem descendente do macaco? 

Me parece que Darwin não disse que o homem é descendente direto do macaco, mas sim que o homem e o macaco descendem de um ancestral em comum, como tudo tende a deturpação, logo o que ficou para os dias de hoje é a máxima de que "o homem veio do macaco", mas segundo o ocultismo, isto não procede. O que é defendido é a ideia de que o contrario é o que é válido, ou seja, o homem  gerou o macaco! 

Quem primeiro falou abertamente a respeito deste assunto foi Helena Petrovna Blavatsky em seu livro "A Doutrina Secreta", porém esse conhecimento é milenar e esteve muito bem guardado pelos mestres da sabedoria. 

Segue dois trechos de dois sites (no final de cada trecho um link, é só clicar pra ler o original):

"A tese revolucionária de Blavatsky é, em uma época que não se supunha o Homem mais antigo que 100 mil anos, afirmar que o Homem físico tem mais de 18 milhões de anos de existência.

A antropogênese, descrita em "A Doutrina Secreta", opõe-se à evolução darwinista que era largamente aceita na época. Blavatsky não nega o mecanismo da evolução, mas não aceita que uma "força cega e sem objetivo" possa ter resultado no aparecimento do Homem. Para ela, a criação do Homem deu-se por meio de esforços conscientes de seres divinos, que ela chama de Dhyan-Chohans, que são a origem da Mônada que habita todo ser humano.


Blavatsky não nega que a evolução dos animais e do Homem estão relacionadas. No entanto, ela alega que os homens não são primatas, como afirma a teoria da evolução. Ao contrário, para Blavatsky, os primatas são descendentes de antigas raças humanas que se degeneraram, ou seja, os primatas descendem do homem.
." - Wikipédia. 


"Nesse assunto, o melhor a fazer é  citar as palavras de um dos Mestres de Sabedoria, falando da antropologia esotérica de “A Doutrina Secreta”:

A semelhança anatômica entre o homem e o macaco superior, tão frequentemente citada pelos darwinistas como apontando para um antigo ancestral comum a ambos, representa um problema interessante, cuja solução adequada deve ser procurada na explicação esotérica da gênese dos grupos pitecóides. Demos informações sobre isso até onde elas podiam ser úteis, ao afirmar que a animalidade das primitivas raças destituídas de mente resultou na produção de monstros imensos de forma humana – frutos de pais humanos  e animais. À medida que se passou o tempo e as formas ainda semi-astrais se consolidaram em físicas, os descendentes dessas criaturas foram modificados por condições externas até que a classe, diminuindo de tamanho, culminou nos macacos inferiores do período Mioceno. Com estes, os atlantes posteriores renovaram o pecado dos “Sem Mente” - desta vez com total responsabilidade. Os resultados do seu crime são as espécies agora conhecidas como os antropóides ... Deixe-nos recordar o ensinamento esotérico que nos fala do Homem tendo, na terceira ronda, uma forma gigantesca e parecida com a do macaco, no plano astral. E  de maneira similar, no término da terceira raça nesta ronda. Isso então explica as feições humanas dos macacos, especialmente dos antropóides mais recentes – além do fato que estes preservam por hereditariedade uma semelhança com seus progenitores atlanto-lemurianos.” - 
The Secret Doctrine”, H. P. Blavatsky, Theosophy Co., Los Angeles, 1982, vol. II, p. 689. 



 Origem dos Ratos, Baratas e Insetos Nocivos

Segundo Trigueirinho os ratos, as baratas e os demais insetos nocivos foram originados pelo homem devido aos seus maus pensamentos, maus sentimentos e ações negativas.

É como se num passado distante as formas-pensamento de uma coletividade humana tomassem forma no plano mental-astral, formando Egrégoras negativas e depois se precipitando no plano físico na forma de insetos nocivos e animais destrutíveis que não estavam no plano evolutivo. 

Sendo assim, procede dizer que onde há muitos pensamentos não produtivos (como vingança, preguiça, luxuria, inveja, cobiça, medo, raiva, ambição e etc) a população desses seres é maior que em um local comum, talvez por que esses pensamentos geram ações não produtivas, que depois geram lixos, dejetos e etc, que acabam por atrai-los (um conceito super obvio e verdadeiro). Temos os presídios como principais exemplos, uma vez que lá não há atividade (nem incentivo) benéfica  apenas ócio e desesperança e fica evidente que a população de ratos e baratas, além de outras pragas, é muito grande.

Com base nesse estudo de Trigueirinho, podemos afirmar que somos os "pais" dos ratos, das baratas e demais insetos nocivos.  

Assista a palestra de Trigueirinho falando sobre a origem do macaco, rato, barata e os demais insetos nocivos. 


A Origem do Macaco, do Rato e dos insetos nocivos
Trigueirinho



Nenhum comentário:

Postar um comentário