domingo, 18 de novembro de 2012

A Bíblia e a Sabedoria Perene




Se a Bíblia contém contradições, afirmações não científicas e visões que vão contra o senso comum, será por isso um documento sem valor?

As pessoas que são educadas num ambiente cristão aprendem que a Bíblia é a palavra de Deus e por isso é a fundação de sua fé e religião. Quando manuseiam as páginas da Bíblia, no entanto, elas começam a se sentir desconfortáveis com o que encontram. Vejam-se exemplos:

Algumas das histórias vão de encontro ao senso comum, tais como Deus ciumento, zangado, e arrependido. (Gênese)

Algumas vão de encontro a informações e fatos científicos bem estabelecidos, tais como Josué fazendo o sol parar ao meio-dia durante um dia inteiro. (Livro de Josué)

Algumas informações são contraditórias, tais como as duas diferentes genealogias de Jesus (Evangelho de Lucas e de Mateus) e as versões da criação do homem e da mulher. (Gênese)

Algumas são enigmáticas, como a afirmação do Senhor de que criou o mal. (Livro de Isaías)

Algumas traduções diferem entre si tão radicalmente que não significam absolutamente a mesma coisa. (João 5:7)

Alguns relatos fazem de Deus e dos profetas seres cruéis, tais como Deus dizendo a Josué para matar tudo que respirasse (inclusive crianças e animais) nas cidades que conquistasse.
Isso cria um dilema para o leitor. Ou ele rejeita essas coisas com inverdades e se torna descrente, ou aceita essas coisas como verdadeiras e torna-se intelectualmente inconsistente, já que não pode rejeitar o senso comum e os fatos cientificamente estabelecidos.

Estamos face a face com a pergunta: Quanto da Bíblia podemos aceitar? Muitas pessoas não se incomodam em refletir sobre estes assuntos e preferem simplesmente aceitar a autoridade de uma instituição tal como a Igreja Católica. Está tudo bem se a pessoa não leva a religião a serio. Mas, caso afirmativo, ela então irá enfrentar um sério problema moral e intelectual.

Portanto, para aqueles que levam sua religião a serio, é seu dever inquirir sobre as fundações de sua crença e de sua fé. Isso inclui um exame de toda a Bíblia, particularmente para os membros de seitas cuja única autoridade é a Bíblia. Evitar tal investigação pode produzir superstição e uma moralidade mal orientada, tal como “aquele que não usa o relho odeia seu filho.” (Prov. 13:29)

Quando expoentes de tal crença têm acesso ao poder político, então eles podem ser totalmente perigosos. Testemunhe-se a queima de Giordano Bruno por acreditar na visão de Copérnico sobre o sistema solar contra a visão geocêntrica da Bíblia. Ou a lei que torna o ensino da evolução uma ofensa criminal nos Estados Unidos já em 1925, uma vez que contradiz o relato do Gênese sobre a criação.

Se a Bíblia contém inconsistências, contradições, afirmações não científicas e visões que vão contra o senso comum, será por isso um documento sem valor? Devemos rejeitá-la?

A Sabedoria Perene

É aqui que se torna valioso um segundo olhar na Bíblia baseado na Sabedoria Perene ou Gnose. Usando as chaves da Sabedoria, descobrimos que a Bíblia é um documento que contém alegorias que fazem referências ao desenvolvimento espiritual do ser humano. A Bíblia adquire valor não como documento histórico ou científico, mas como um tratado místico velado em parábolas, histórias e símbolos.

Em nossa época pouco importa se Josué realmente lutou na batalha de Jericó ou se realmente existiu um Templo de Salomão. Muitas das alegações na Bíblia dificilmente podem de um modo ou de outro ser provadas ou não. Mas, quando certas afirmações contêm alusões que podem afetar nosso modo de vida atual, então a Bíblia torna-se um documento que é plenamente relevante ao tempo presente.

Quando Cristo diz, por exemplo, “sedes perfeitos como Vosso Pai no céu é perfeito”, estamos face a face com um desafio referente ao nosso potencial espiritual. Se existe verdade nessa afirmação, então sua implicação é tremenda, e o passo seguinte deve ser perguntar se a Bíblia contém diretrizes que nos irão ajudar a compreender a verdade dessa afirmação.

Existe uma Sabedoria Perene que tem existido desde tempos imemoriais e que tem sido passada adiante de geração a geração através de tradições, da boca ao ouvido, por meio da escrita e de instituições. Ela é conhecida por muitos nomes, tais como Gnose, Cabala, Brahma Vidya, Misticismo e Teosofia. O encontro deste escritor com esta Sabedoria tem sido por meio da Sociedade Teosófica, uma organização não sectária que encoraja as pessoas a estudarem a Sabedoria Perene a partir de várias tradições espirituais do Oriente e do Ocidente. A obra de Helena Petrovna Blavatsky tem colaborado na demonstração da unidade essencial dessas tradições, e suas obras criaram todo um corpo de literatura que lida com o significado interno da Bíblia. Entre esses livros estão as obras de Geoffrey Hodson, que foi autor de inúmeros estudos sobre a Bíblia.

A Sabedoria Perene enfatiza pelo menos dois pontos no estudo das escrituras:

1) A essência da vida religiosa está no despertar de nossa natureza espiritual e na subjugação de nossa natureza inferior pela superior. Muitas das parábolas e do simbolismo irão ganhar clareza quando este princípio for mantido na mente.

2) Existe o que é chamado conhecimento esotérico referente à vida humana e ao cosmos. Este conhecimento foi colocado sob a custódia de Adeptos que o transmitem somente àqueles que se tenham qualificado para recebê-lo. É considerado secreto por duas razões:

O âmago desse conhecimento é essencialmente inefável e não pode ser transmitido por meio da linguagem humana. Essa parte inefável só pode ser aprendida pelo aspirante mediante o despertar de suas faculdades espirituais correspondentes. Assim, o aprendizado dos aspectos transcendentes da Sabedoria torna-se uma porta fechada para as pessoas que ainda não estejam desejosas de se prepararem para recebê-los e isso se aplica à vasta maioria da humanidade. A esse respeito São Paulo diz: “Seja como for, falamos de sabedoria entre aqueles que são perfeitos [...] falamos da sabedoria de Deus no mistério, mesmo da sabedoria oculta.” (1 Cor. 2:6-8)

O conhecimento interno contém partes que podem ser mal compreendidas pelo ouvinte despreparado, ou que podem ser mal empregadas para propósitos egoístas, sendo assim capazes de produzir dano tanto ao receptor quanto a outras pessoas. Esse é o significado da injunção de Jesus: “Não deis aquilo que é sagrado aos cães, nem lanceis vossas pérolas aos porcos, para que eles não as esmaguem sob seus pés, e voltando-se vos despedacem.” (Mat. 7:6)
Esses dois pontos chamam nossa atenção para os aspectos místico e esotérico das escrituras.

Místico - O valor primário das escrituras é ajudar a vida espiritual do aspirante. É atingir metanoia (meta, “além” e nous, “mente”), ou ultrapassar a mente comum e a personalidade. Infelizmente essa palavra tem sido traduzida como “arrependimento”, uma palavra que possui primariamente um sentido psicológico ou emocional, mas que não possuí a transcendência espiritual implícita em metanoia.

Alcançar esse estado de consciência requer a purificação do eu inferior (mente, emoção e corpo), conforme a passagem: “Sede limpos, vós que sustentais os vasos do Senhor” (Isaías 52:11), e a unificação com a divindade dentro de nós: “O Reino de Deus está dentro de vós” (Lucas 17:21).

Porém, o aspirante deve passar por estágios na sua tentativa de realizar o estado de perfeição. Na tradição dos mistérios esses estágios são chamados de iniciação. Muitas das histórias no Velho e no Novo Testamento fazem referência a tais estágios iniciáticos, tais como o teste de Jó e Jesus, e de Jonas sendo engolido por uma baleia durante três dias.

Esotérico - Os primeiros cristãos confirmaram a existência da sabedoria oculta no Cristianismo. O próprio Jesus falou deste lado oculto quando explicou que para as massas só falava em parábolas, mas que os mistérios ele dava aos discípulos. Isso levou à tradição gnóstica no Cristianismo. Orígenes e Clemente de Alexandria estão entre aqueles que falam desse conhecimento oculto.

A reintrodução da Sabedoria Perene no mundo moderno por meio da Teosofia tem produzido uma melhor compreensão dessas facetas ocultas das escrituras pelos estudantes sérios.

Aqui estão alguns exemplos:

A importância do número 7: o que se quer dizer pela revelação dos sete reis? As sete montanhas?
A parábola do filho pródigo: o que simboliza o filho? O chiqueiro?
A história de Jonas sendo engolido por uma baleia: qual é o significado místico do fato de ele permanecer no estômago da baleia durante três dias? Qual sua ligação com Jesus estando no Hades durante três dias depois de sua morte? H.P. Blavatsky escreveu que se trata de um rito iniciático de Adeptos. Falava-se na mesma descida de Baco, Heráclito, Orfeu, e Asclépio. (Isis Sem Véu, 11:514)
Os princípios da Sabedoria Perene e o conhecimento da linguagem dos símbolos nos permitem compreender o significado interno dessas estranhas histórias.

Com esse ponto de vantagem, a Bíblia não é mais um documento enigmático, mesmo que muito dela permaneça um mistério. Ela pode ser agora fonte de inspiração e de orientação para os leitores, sem serem eles dificultados por suas aparentes contradições e improbabilidades. Aliás, essas improbabilidades adquirem um novo significado.

Ecumenismo Genuíno

Esta abordagem do estudo bíblico é também a chave para um genuíno ecumenismo no Cristianismo. Dizia-se haver 33.830 seitas cristãs no mundo até o ano 2001. Muito de suas discordâncias repousam nos aspectos externos do Cristianismo. O reconhecimento do âmago místico e espiritual da vida cristã irá diminuir a ênfase excessiva sobre as diferenças formais e teológicas. Afinal, o elemento espiritual de toda religião é o que realmente importa.

Isso irá não apenas levar ao ecumenismo cristão, como é também a ponte rumo à genuína compreensão mútua e à harmonia com todas as grandes tradições religiosas do mundo, primariamente o Hinduísmo, o Budismo, o Islamismo, o Judaísmo e seus ramos. A Sabedoria Perene é a chave vital para a descoberta da unidade essencial de todas as religiões



Texto Original: Vicent Hao Chin Jr.
Fonte: Theosophical Digest, 2006
Link: http://sendadesophia.com.br/2012/11/a-biblia-e-a-sabedoria-perene/

RTetirado do Grupo "Get Thot" em 11/11/12
http://www.facebook.com/photo.php?fbid=555449017803550&set=o.267050796666187&type=1&theater

Nenhum comentário:

Postar um comentário