quarta-feira, 28 de novembro de 2012

A Morte do Ego - Samael Aun Weor


Em uma série de 4 videos, Samael Aun Weor, o reformulador da Gnose, fala sobre a morte do ego. Palestra em espanhol com legendas em português.

Fonte: Canal 13 Gnosis

"Orientações do Venerável Mestre Samael sobre o trabalho de eliminação do "eu" dadas no Congresso de Guadalajara em 1976. Aproveitei o que tinha em vídeo e as partes que não tinham, estão em áudio com slides de maneira que ficou a explicação completa."

Primeira Parte

Segunda Parte 

Terceira Parte

Quarta Parte



segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Introdução à Teosofia - Adhemar Ramos



Introdução à Teosofia 

Aqui temos uma série de 5 (cinco) vídeos, com mais de 6 (seis) horas de ensinamentos introdutórios a Teosofia. 

Bem, é preciso explicar que o Professor Adhemar Ramos, um grande estudioso do eSoterismo e das ciências ocultas, denomina por Teosofia a "Sabedoria Divina", ele não fala exclusivamente da Teosofia de Blavatsky (fala da Teosofia da mesma, mas não apenas dela), mas sim da "Gupta Vidya" , também conhecida por "Sabedoria Iniciática das Idades", que é a fonte de todo o conhecimento e de onde se originou todas as escolas iniciáticas (Sociedade Teosofica, Rosacruz, Maçonaria, Gnose, Eubiose e etc). O professor que passou por algumas ordens iniciaticas, depois abandonou essas escolas para se dedicar aos estudos por si mesmo, se filiando apenas as "Egregoras" e não mais a estas escolas aqui, no plano física.

Marcadores: Iniciação, Esoterismo, Ensinamento passado de Boca a ouvido, Sabedoria, Deus, Escolas de Mistérios, Hermetismo, Hemes Trismegisto, Cosmogenesis, Antropogenesis, Alma, Espirito, Monada, Encarnação, Reencarnação, Karma, Induismo, Budismo, Cristianismo, Espiritualismo, Ufologia, Clarividência, Mediunidade, Atlântida  Lemúria, Caduceu, Ouroboros, Estrela de Davi, Pentagrama, Tetragrammaton, Tarot, Simbolismo, Mistérios Menores, Mistérios Maiores, Monastério,  Egito, India, Tibete, Grécia, Roma, Brasil, Itinerário de IO, Serra do Roncador, Agharta, Shambala, Shangrilla, Indios Xavantes, Mundos Internos, Mantras, Reinos, Hominal, Animal, Vegetal, Mineral, Terra, Fogo, Ar, Agua, Ronda Planetária, Venus, Hierarquias, Arcanjos, Anjos, Elementais da Natureza, Bem, Mal,  Direita, Esquerda, Caminho do Meio, Krishna, Gautama Buda, Jesus Cristo, Maomé, Blavatsky, Eliphas Levi, Max Heindel, Leadbeater, krishnamurti, Rudolf Steiner, Henrique José de Souza, Samael Aun Weor, Alan Kardec, Chico Xavier, Massaharu Taniguchi, Etica, Justiça, Moral, Saúde, Verdade, Maya, Ilusão, Teosofia, Gnose, Rosacruz, Maçonaria, Antroposofia, Eubiose, Espiritualidade, Ciência, Filosofia.


Intro.Teo - Primeira Parte

Intro.Teo - Segunda Parte

Intro.Teo - Terceira Parte

Intro.Teo - Quarta Parte

Intro.Teo - Quinta Parte



A Grande Transformação - Trigueirinho



A Grande Transformação

Autor: Trigueirinho
Tema: A Grande Transformação

Esta partilha foi realizada no sábado dia 17 de novembro de 2012 17h, horário de Brasília
Quais as mudanças necessárias à formação de uma nova consciência para a humanidade futura? 

Como devemos nos preparar para a Grande Transformação já em ato? 
Esse tema será aprofundado na próxima partilha de Trigueirinho, com transmissão que poderá ser acompanhada por esta página. Na oportunidade, seremos convidados a refletir sobre aspectos de uma nova vida sobre a Terra e a intensa transformação por que passam o ser humano e este planeta. 

José Trigueirinho Netto, filósofo espiritualista, é idealizador e fundador da Comunidade Figueira, um dos membros fundadores da Fraternidade - Federação Humanitária Internacional, e co-fundador da Ordem Graça Misericórdia. É autor de 77 livros. Leia mais sobre Trigueirinho. 

No site da Irdin Editora, estão disponíveis mais de 1.800 palestras gravadas de Trigueirinho.

Downloads Indice Remissivo: 
http://www.irdin.org.br/trigueirinho/por_A/remissivo.php

Site: http://www.trigueirinho.org.br/web/php/index.php 

Site Editora Irdin: www.irdin.org.br 

Próxima partilha terça feira 18 de dezembro de 2012 as 20hs

A transmissão poderá ser acompanhada pelo endereço: 
www.comunidadefigueira.org.br/aovivo

Fonte: Canal Freithas - Youtube

Trigueirinho 
A grande transformação

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Valores Humanos - Krishnamurti


Por: Canto Esotérico


Uma das peculiaridades do ser humano é o cultivo de valores. Desde criança, somos encorajados a estabelecer, para nós mesmos, certos valores que ficam profundamente enraizados. Cada pessoa tem suas próprias intenções e propostas duradouras. 

Naturalmente, os valores de um diferem dos valores de outro. Eles são cultivados pelo desejo ou pelo intelecto. Eles são ilusórios, confortantes, consoladores ou factuais. Esses valores, com certeza, encorajam a divisão entre os homens. Valores são nobres ou ignóbeis de acordo com os preconceitos ou intenções da pessoa. 

Sem fazer uma lista dos vários tipos de valores, por que os seres humanos têm valores e quais as suas consequências? O significado da raiz da palavra "valor" é "força". É a mesma raiz da palavra "valour", valentia. Força não é valor. Ela se transforma em valor, quando é o oposto de fraqueza. A força - não a força de caráter, que é resultado da pressão da Sociedade - é a essência da clareza; é o pensar claro, sem tendências e sem preconceitos; é a observação sem distorção. A força, ou valour, não é algo a ser cultivado, como você cultivaria uma nova espécie. Não é um resultado. Um resultado tem uma causa, e, quando existe uma causa, isso indica uma fraqueza; as consequências da fraqueza são resistência ou submissão. A clareza não tem causa. A clareza não é um efeito ou um resultado; é a pura observação do pensamento e toda a sua atividade. Essa clareza é força.

Se isso é claramente entendido, por que os seres humanos têm projetado valores? Será que é para servir como guias, em suas vidas diárias? Será que é para lhes dar um propósito, porque, do contrário, a vida ficaria incerta, vaga, sem direção? Mas a direção é estabelecida pelo intelecto ou pelo desejo, assim a própria direção torna-se uma distorção. Essas distorções variam de homem, para homem, e o ser humano agarra-se a ela no mar agitado da confusão. Podem ser observadas as consequências de se terem valores: eles separam o homem do homem, e colocam uma pessoa contra a outra. Em última instância, isso leva à infelicidade, à violência e, no fim, à guerra.

Os ideais são valores. Os ideais de qualquer tipo são uma série de valores - nacionais, religiosos, coletivos, pessoais -, e podem-se observar as consequências desses ideiais, enquanto vão acontecendo no mundo. Quando se vê a verdade disso, a mente está livre de todos os valores e, para essa mente, existe apenas clareza. Uma mente que deseja, ou se agarra a uma experiência, está no encalço da falácia do valor e assim torna-se fechada, reservada e criadora de divisão.

Link: Valores Humanos (Krishnamurti) - Canto Esoterico



domingo, 18 de novembro de 2012

A Bíblia e a Sabedoria Perene




Se a Bíblia contém contradições, afirmações não científicas e visões que vão contra o senso comum, será por isso um documento sem valor?

As pessoas que são educadas num ambiente cristão aprendem que a Bíblia é a palavra de Deus e por isso é a fundação de sua fé e religião. Quando manuseiam as páginas da Bíblia, no entanto, elas começam a se sentir desconfortáveis com o que encontram. Vejam-se exemplos:

Algumas das histórias vão de encontro ao senso comum, tais como Deus ciumento, zangado, e arrependido. (Gênese)

Algumas vão de encontro a informações e fatos científicos bem estabelecidos, tais como Josué fazendo o sol parar ao meio-dia durante um dia inteiro. (Livro de Josué)

Algumas informações são contraditórias, tais como as duas diferentes genealogias de Jesus (Evangelho de Lucas e de Mateus) e as versões da criação do homem e da mulher. (Gênese)

Algumas são enigmáticas, como a afirmação do Senhor de que criou o mal. (Livro de Isaías)

Algumas traduções diferem entre si tão radicalmente que não significam absolutamente a mesma coisa. (João 5:7)

Alguns relatos fazem de Deus e dos profetas seres cruéis, tais como Deus dizendo a Josué para matar tudo que respirasse (inclusive crianças e animais) nas cidades que conquistasse.
Isso cria um dilema para o leitor. Ou ele rejeita essas coisas com inverdades e se torna descrente, ou aceita essas coisas como verdadeiras e torna-se intelectualmente inconsistente, já que não pode rejeitar o senso comum e os fatos cientificamente estabelecidos.

Estamos face a face com a pergunta: Quanto da Bíblia podemos aceitar? Muitas pessoas não se incomodam em refletir sobre estes assuntos e preferem simplesmente aceitar a autoridade de uma instituição tal como a Igreja Católica. Está tudo bem se a pessoa não leva a religião a serio. Mas, caso afirmativo, ela então irá enfrentar um sério problema moral e intelectual.

Portanto, para aqueles que levam sua religião a serio, é seu dever inquirir sobre as fundações de sua crença e de sua fé. Isso inclui um exame de toda a Bíblia, particularmente para os membros de seitas cuja única autoridade é a Bíblia. Evitar tal investigação pode produzir superstição e uma moralidade mal orientada, tal como “aquele que não usa o relho odeia seu filho.” (Prov. 13:29)

Quando expoentes de tal crença têm acesso ao poder político, então eles podem ser totalmente perigosos. Testemunhe-se a queima de Giordano Bruno por acreditar na visão de Copérnico sobre o sistema solar contra a visão geocêntrica da Bíblia. Ou a lei que torna o ensino da evolução uma ofensa criminal nos Estados Unidos já em 1925, uma vez que contradiz o relato do Gênese sobre a criação.

Se a Bíblia contém inconsistências, contradições, afirmações não científicas e visões que vão contra o senso comum, será por isso um documento sem valor? Devemos rejeitá-la?

A Sabedoria Perene

É aqui que se torna valioso um segundo olhar na Bíblia baseado na Sabedoria Perene ou Gnose. Usando as chaves da Sabedoria, descobrimos que a Bíblia é um documento que contém alegorias que fazem referências ao desenvolvimento espiritual do ser humano. A Bíblia adquire valor não como documento histórico ou científico, mas como um tratado místico velado em parábolas, histórias e símbolos.

Em nossa época pouco importa se Josué realmente lutou na batalha de Jericó ou se realmente existiu um Templo de Salomão. Muitas das alegações na Bíblia dificilmente podem de um modo ou de outro ser provadas ou não. Mas, quando certas afirmações contêm alusões que podem afetar nosso modo de vida atual, então a Bíblia torna-se um documento que é plenamente relevante ao tempo presente.

Quando Cristo diz, por exemplo, “sedes perfeitos como Vosso Pai no céu é perfeito”, estamos face a face com um desafio referente ao nosso potencial espiritual. Se existe verdade nessa afirmação, então sua implicação é tremenda, e o passo seguinte deve ser perguntar se a Bíblia contém diretrizes que nos irão ajudar a compreender a verdade dessa afirmação.

Existe uma Sabedoria Perene que tem existido desde tempos imemoriais e que tem sido passada adiante de geração a geração através de tradições, da boca ao ouvido, por meio da escrita e de instituições. Ela é conhecida por muitos nomes, tais como Gnose, Cabala, Brahma Vidya, Misticismo e Teosofia. O encontro deste escritor com esta Sabedoria tem sido por meio da Sociedade Teosófica, uma organização não sectária que encoraja as pessoas a estudarem a Sabedoria Perene a partir de várias tradições espirituais do Oriente e do Ocidente. A obra de Helena Petrovna Blavatsky tem colaborado na demonstração da unidade essencial dessas tradições, e suas obras criaram todo um corpo de literatura que lida com o significado interno da Bíblia. Entre esses livros estão as obras de Geoffrey Hodson, que foi autor de inúmeros estudos sobre a Bíblia.

A Sabedoria Perene enfatiza pelo menos dois pontos no estudo das escrituras:

1) A essência da vida religiosa está no despertar de nossa natureza espiritual e na subjugação de nossa natureza inferior pela superior. Muitas das parábolas e do simbolismo irão ganhar clareza quando este princípio for mantido na mente.

2) Existe o que é chamado conhecimento esotérico referente à vida humana e ao cosmos. Este conhecimento foi colocado sob a custódia de Adeptos que o transmitem somente àqueles que se tenham qualificado para recebê-lo. É considerado secreto por duas razões:

O âmago desse conhecimento é essencialmente inefável e não pode ser transmitido por meio da linguagem humana. Essa parte inefável só pode ser aprendida pelo aspirante mediante o despertar de suas faculdades espirituais correspondentes. Assim, o aprendizado dos aspectos transcendentes da Sabedoria torna-se uma porta fechada para as pessoas que ainda não estejam desejosas de se prepararem para recebê-los e isso se aplica à vasta maioria da humanidade. A esse respeito São Paulo diz: “Seja como for, falamos de sabedoria entre aqueles que são perfeitos [...] falamos da sabedoria de Deus no mistério, mesmo da sabedoria oculta.” (1 Cor. 2:6-8)

O conhecimento interno contém partes que podem ser mal compreendidas pelo ouvinte despreparado, ou que podem ser mal empregadas para propósitos egoístas, sendo assim capazes de produzir dano tanto ao receptor quanto a outras pessoas. Esse é o significado da injunção de Jesus: “Não deis aquilo que é sagrado aos cães, nem lanceis vossas pérolas aos porcos, para que eles não as esmaguem sob seus pés, e voltando-se vos despedacem.” (Mat. 7:6)
Esses dois pontos chamam nossa atenção para os aspectos místico e esotérico das escrituras.

Místico - O valor primário das escrituras é ajudar a vida espiritual do aspirante. É atingir metanoia (meta, “além” e nous, “mente”), ou ultrapassar a mente comum e a personalidade. Infelizmente essa palavra tem sido traduzida como “arrependimento”, uma palavra que possui primariamente um sentido psicológico ou emocional, mas que não possuí a transcendência espiritual implícita em metanoia.

Alcançar esse estado de consciência requer a purificação do eu inferior (mente, emoção e corpo), conforme a passagem: “Sede limpos, vós que sustentais os vasos do Senhor” (Isaías 52:11), e a unificação com a divindade dentro de nós: “O Reino de Deus está dentro de vós” (Lucas 17:21).

Porém, o aspirante deve passar por estágios na sua tentativa de realizar o estado de perfeição. Na tradição dos mistérios esses estágios são chamados de iniciação. Muitas das histórias no Velho e no Novo Testamento fazem referência a tais estágios iniciáticos, tais como o teste de Jó e Jesus, e de Jonas sendo engolido por uma baleia durante três dias.

Esotérico - Os primeiros cristãos confirmaram a existência da sabedoria oculta no Cristianismo. O próprio Jesus falou deste lado oculto quando explicou que para as massas só falava em parábolas, mas que os mistérios ele dava aos discípulos. Isso levou à tradição gnóstica no Cristianismo. Orígenes e Clemente de Alexandria estão entre aqueles que falam desse conhecimento oculto.

A reintrodução da Sabedoria Perene no mundo moderno por meio da Teosofia tem produzido uma melhor compreensão dessas facetas ocultas das escrituras pelos estudantes sérios.

Aqui estão alguns exemplos:

A importância do número 7: o que se quer dizer pela revelação dos sete reis? As sete montanhas?
A parábola do filho pródigo: o que simboliza o filho? O chiqueiro?
A história de Jonas sendo engolido por uma baleia: qual é o significado místico do fato de ele permanecer no estômago da baleia durante três dias? Qual sua ligação com Jesus estando no Hades durante três dias depois de sua morte? H.P. Blavatsky escreveu que se trata de um rito iniciático de Adeptos. Falava-se na mesma descida de Baco, Heráclito, Orfeu, e Asclépio. (Isis Sem Véu, 11:514)
Os princípios da Sabedoria Perene e o conhecimento da linguagem dos símbolos nos permitem compreender o significado interno dessas estranhas histórias.

Com esse ponto de vantagem, a Bíblia não é mais um documento enigmático, mesmo que muito dela permaneça um mistério. Ela pode ser agora fonte de inspiração e de orientação para os leitores, sem serem eles dificultados por suas aparentes contradições e improbabilidades. Aliás, essas improbabilidades adquirem um novo significado.

Ecumenismo Genuíno

Esta abordagem do estudo bíblico é também a chave para um genuíno ecumenismo no Cristianismo. Dizia-se haver 33.830 seitas cristãs no mundo até o ano 2001. Muito de suas discordâncias repousam nos aspectos externos do Cristianismo. O reconhecimento do âmago místico e espiritual da vida cristã irá diminuir a ênfase excessiva sobre as diferenças formais e teológicas. Afinal, o elemento espiritual de toda religião é o que realmente importa.

Isso irá não apenas levar ao ecumenismo cristão, como é também a ponte rumo à genuína compreensão mútua e à harmonia com todas as grandes tradições religiosas do mundo, primariamente o Hinduísmo, o Budismo, o Islamismo, o Judaísmo e seus ramos. A Sabedoria Perene é a chave vital para a descoberta da unidade essencial de todas as religiões



Texto Original: Vicent Hao Chin Jr.
Fonte: Theosophical Digest, 2006
Link: http://sendadesophia.com.br/2012/11/a-biblia-e-a-sabedoria-perene/

RTetirado do Grupo "Get Thot" em 11/11/12
http://www.facebook.com/photo.php?fbid=555449017803550&set=o.267050796666187&type=1&theater

sábado, 10 de novembro de 2012

O filhos bastardos do Homem


Por: Marcelo Montebras

Macaco, o "filho bastardo" do Homem

Um assunto já a muito conhecido pelo pelo pessoal que estuda esoterismo/ocultismo, mas que ainda é de desconhecimento da maior parte da população... 

Seria o homem descendente do macaco? 

Me parece que Darwin não disse que o homem é descendente direto do macaco, mas sim que o homem e o macaco descendem de um ancestral em comum, como tudo tende a deturpação, logo o que ficou para os dias de hoje é a máxima de que "o homem veio do macaco", mas segundo o ocultismo, isto não procede. O que é defendido é a ideia de que o contrario é o que é válido, ou seja, o homem  gerou o macaco! 

Quem primeiro falou abertamente a respeito deste assunto foi Helena Petrovna Blavatsky em seu livro "A Doutrina Secreta", porém esse conhecimento é milenar e esteve muito bem guardado pelos mestres da sabedoria. 

Segue dois trechos de dois sites (no final de cada trecho um link, é só clicar pra ler o original):

"A tese revolucionária de Blavatsky é, em uma época que não se supunha o Homem mais antigo que 100 mil anos, afirmar que o Homem físico tem mais de 18 milhões de anos de existência.

A antropogênese, descrita em "A Doutrina Secreta", opõe-se à evolução darwinista que era largamente aceita na época. Blavatsky não nega o mecanismo da evolução, mas não aceita que uma "força cega e sem objetivo" possa ter resultado no aparecimento do Homem. Para ela, a criação do Homem deu-se por meio de esforços conscientes de seres divinos, que ela chama de Dhyan-Chohans, que são a origem da Mônada que habita todo ser humano.


Blavatsky não nega que a evolução dos animais e do Homem estão relacionadas. No entanto, ela alega que os homens não são primatas, como afirma a teoria da evolução. Ao contrário, para Blavatsky, os primatas são descendentes de antigas raças humanas que se degeneraram, ou seja, os primatas descendem do homem.
." - Wikipédia. 


"Nesse assunto, o melhor a fazer é  citar as palavras de um dos Mestres de Sabedoria, falando da antropologia esotérica de “A Doutrina Secreta”:

A semelhança anatômica entre o homem e o macaco superior, tão frequentemente citada pelos darwinistas como apontando para um antigo ancestral comum a ambos, representa um problema interessante, cuja solução adequada deve ser procurada na explicação esotérica da gênese dos grupos pitecóides. Demos informações sobre isso até onde elas podiam ser úteis, ao afirmar que a animalidade das primitivas raças destituídas de mente resultou na produção de monstros imensos de forma humana – frutos de pais humanos  e animais. À medida que se passou o tempo e as formas ainda semi-astrais se consolidaram em físicas, os descendentes dessas criaturas foram modificados por condições externas até que a classe, diminuindo de tamanho, culminou nos macacos inferiores do período Mioceno. Com estes, os atlantes posteriores renovaram o pecado dos “Sem Mente” - desta vez com total responsabilidade. Os resultados do seu crime são as espécies agora conhecidas como os antropóides ... Deixe-nos recordar o ensinamento esotérico que nos fala do Homem tendo, na terceira ronda, uma forma gigantesca e parecida com a do macaco, no plano astral. E  de maneira similar, no término da terceira raça nesta ronda. Isso então explica as feições humanas dos macacos, especialmente dos antropóides mais recentes – além do fato que estes preservam por hereditariedade uma semelhança com seus progenitores atlanto-lemurianos.” - 
The Secret Doctrine”, H. P. Blavatsky, Theosophy Co., Los Angeles, 1982, vol. II, p. 689. 



 Origem dos Ratos, Baratas e Insetos Nocivos

Segundo Trigueirinho os ratos, as baratas e os demais insetos nocivos foram originados pelo homem devido aos seus maus pensamentos, maus sentimentos e ações negativas.

É como se num passado distante as formas-pensamento de uma coletividade humana tomassem forma no plano mental-astral, formando Egrégoras negativas e depois se precipitando no plano físico na forma de insetos nocivos e animais destrutíveis que não estavam no plano evolutivo. 

Sendo assim, procede dizer que onde há muitos pensamentos não produtivos (como vingança, preguiça, luxuria, inveja, cobiça, medo, raiva, ambição e etc) a população desses seres é maior que em um local comum, talvez por que esses pensamentos geram ações não produtivas, que depois geram lixos, dejetos e etc, que acabam por atrai-los (um conceito super obvio e verdadeiro). Temos os presídios como principais exemplos, uma vez que lá não há atividade (nem incentivo) benéfica  apenas ócio e desesperança e fica evidente que a população de ratos e baratas, além de outras pragas, é muito grande.

Com base nesse estudo de Trigueirinho, podemos afirmar que somos os "pais" dos ratos, das baratas e demais insetos nocivos.  

Assista a palestra de Trigueirinho falando sobre a origem do macaco, rato, barata e os demais insetos nocivos. 


A Origem do Macaco, do Rato e dos insetos nocivos
Trigueirinho



quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Simbolismo da Serpente - Adhemar Ramos

Ouroboros


Mais um programa "Ocultismo sem Mistério", com o saudoso professor Adhemar Ramos. Neste programa ele fala sobre o simbolismo da serpente.

Marcadores: Serpente, ser penta, cinco pontas, pentagrama, sabedoria, ignorância, Ouroboros, caduceu, kundalini, lenda, mitologia, Adão e Eva, Lúcifer, Vênus. 

O Simbolismo da Serpente
Ocultismo Sem Mistério


Caduceu


terça-feira, 6 de novembro de 2012

As Iniciações nos Mistérios



Por: Canto Esotérico

As Iniciações nos Mistérios (A Sagrada Trinosofia)

A iniciação, dentro dos mistérios, era definida pelos filósofos antigos como a suprema aventura da vida e como o maior bem que pode ser outorgado à alma humana durante sua curta permanência terrestre. Platão, no Fedro, assim escreve da suprema importância da aceitação dos Ritos Sagrados: "Do mesmo modo, em consequência desta iniciação divina, tornamo-nos expectadores de abençoadas visões, genuínas, sinceras e inalteráveis, numa luz pura; e seremos nós mesmos puros e imaculados e liberados desta vestimenta circundante, que denominamos corpo e, ao qual, agora estamos ligados como uma ostra à sua concha".

São Paulo também se refere à "experiência interna", pela qual, chegamos a SABER. Ele diz: "falamos de Sabedoria entre os perfeitos, não a sabedoria deste mundo, nem a dos Arcontes (Regentes) deste mundo, mas Sabedoria Divina em um mistério, secreta, que nenhum dos Arcontes deste mundo conhece". 

Uma iniciação é uma expansão da consciência para uma apreciação das realidades universais.  As cerimônias místicas, dos pagãos e cristãos primitivos eram, todavia, os símbolos externos, de processos internos. Através de ritos obscuros e meras aparências, os preciosos mistérios da perfeição eram transmitidos de idade, para idade. O profano satisfazia-se com as solenidades das formas e rituais, mas os Adeptos, aqueles que tinham recebido as chaves, utilizaram a sabedoria embutida nas alegorias, para aperfeiçoar sua faculdades espirituais, internas. Orígenes, o mais místico dos patriarcas anti-Niceanos (antes do Concílio de Nicéia), em seu prefácio ao Evangelho de São João, admite a natureza dupla, de todas as revelações teológicas: "Para os que vêem o sentido literal (ou exotérico), ensinamos o Evangelho da maneira histórica, pregando Jesus Cristo e sua crucificação, mas, para os proficientes, incendiados pela amor da Sabedoria Divina (os esotéricos), comunicamos o Logos (a Palavra)".

A perfeição não é conferida, é conquistada. Os homens não se tornam sábios, meramente testemunhando dramas sagrados, mais propriamente pela compreensão deles. O simbolismo é a linguagem das verdades divinas, uma escrita, pela qual, se pode revelar coisas que não é lícito revelar. "Pois os símbolos místicos são bem conhecidos por nós que pertencemos à Fraternidade" (Plutarco). Pela iniciação, o regulamento dos trabalhos é estabelecido. 

O homem divino e o divino no homem são levados á perfeição somente pelo trabalho.

Durante as cerimônias de iniciação, ao neófito, era dada a Lei. As grandes verdades, pelas quais, o Universo se dirige à inevitável identidade com Deus eram reveladas. Restava ao iniciado aplicar esta Lei e, através desta aplicação, obter imortalidade consciente. Há uma bifurcação nos caminhos do conhecimento, na qual, a prática diverge da teoria. O homem pode cumprir a Lei e assim, pela ação iluminada, atingir finalmente a perfeição, ou ele pode aceitar a expressão da Lei e, ignorando o Espírito, nela continuar, como está, imperfeito e não-iluminado. Aquele que recebe o Logos e subsiste no Espírito d'Ele cresce gradualmente em Sabedoria. 

Originalmente postado em: Canto Esoterico - Pagina Facebook

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Vida Inteligente - Caminhos da Consciência


Programas Vida Inteligente e Caminhos da Consciência  dos dias 01 e 03/11/12 (respectivamente).

1. Vida Inteligente:

Justiça e Vingança - As necessidades do ser humano são inúmeras, mas a compreensão é uma parte essencial para o bom entendimento. O ser humano precisa ser tolerante com seu irmão, necessário é que todos se harmonizem, para que este instante de transição seja proveitoso e feliz. O ser humano necessita de amparo e proteção para poder florescer seus sentimentos. Para ter harmonia é preciso, forçosamente, compreender. O ponto básico de toda harmonia é a compreensão. Se todos se compreenderem haverá proveito coletivo para todo o grupo humano.O ser humano precisa portanto de tolerância no trato do dia-a-dia com seu semelhante. É preciso estar aberto à compreensão, sempre. Todos os matizes do viver se baseiam na mútua tolerância. Jorge Antonio Oro é nosso convidado.

Vida Inteligente

2. Caminhos da Consciência: 

Caminhos da Consciência com o tema: Tirtânkaras. 

Caminhos da Consciência

Mistérios da Cabra, do Bode e do Carneiro


Professor Adhemar Ramos, no extinto programa "Ocultismo sem Mistério" da radio mundial,  fala sobre o simbolismo da cabra, do bode e do cordeiro/carneiro. Apresentação fica por conta de Antonio Viviani. 

Marcadores: Cabra, Bode, Cordeiro, Carneiro, Baphomet, Bode de Mendes, Jacques Demolay, Maçonaria, Pentagrama, Vênus, Pedro Alvares Cabral, Agharta, Kumaras, Pentagrama, Agni (o fogo sagrado), Pentecostes, Guinú, Santo Agostinho, São Thomás de Aquino, Blavatsky, Ufologia, E.T. de Varginha, Atlântida, Clones, Tulkuismo, Paracelso, Tarot, Arcano 15, Diabo, Lúcifer, Anjos Caídos, Sirius, Magia Branca, Magia Negra, Materialismo, Espiritualismo.



Mistérios da Cabra, Bode e do Cordeiro
Ocultismo sem Mistério - Adhemar Ramos 

---------------------------

Fredi Jon  me alertou e estou postando agora este vídeo da entrevista que o professor Adhemar concedeu a ele e ao Carlos Torres  no ano passado sobre o mesmo tema. Vale a pena conferir:

Adhemar Ramos - Simbologias Diversas

Fredi Jon e Carlos Torres entrevistam o Professor Adhemar Ramos abordando o temas diversos; a origem da simbologia do bode na maçonaria, Baphomet, iniciação do templo de Karnak e a Esfinge.

domingo, 4 de novembro de 2012

Masturbação, Celibato e Castidade





Por: Marcelo Montebras 

Três assuntos de mesmo nome daquela revista que tanto adoro (ta certo que ela já foi melhor, mas ainda continua boa), Superinteressante! 

Pois bem, "masturbação, celibato e castidade". Pra não fugir do objetivo (que é ser objetivo), vou falar o minimo possível  (ou tentar falar o minimo possível)  até porque a palestra de Trigueirinho (que acompanha esta postagem) é super esclarecedora.

Masturbação

É o ato de obter prazer sexual sozinho (forever alone), o nome deriva-se de duas palavras latinas manus (mãos) e turbari (esfregar) e é algo comum entre os humanos e em alguns animais também. A ciência diz que este ato ajuda a evitar o risco de câncer de próstata  no caso do homem, também diz que não há mal nenhum nesta pratica. Pelo lado espiritual a masturbação é vista como um desperdício de energia, energia esta que você poderia estar utilizando em outras atividades. Também já ouvimos falar sobre Súcubos e Incubos, que são especies de "vampiros" que sugam nossas energias nos sonhos, mas é possivel que possamos atrai-los (larvas astrais) quando utilizamos esta pratica e/ou estamos reféns da luxuria. 

(Retirado do site Lusophia) - O Professor Henrique José de Souza, em conversa particular sobre o assunto, teve ocasião de proferir:


"O sistema nervoso está, estreitamente, ligado ao Plano Astral, Emocional. E quando o elemento humano pratica o vício solitário (masturbação) tem uma sensação, uma emoção tangida para a epilepsia, decorrendo daí a 'captação', a castração da mente pelo sexo impróprio, se não prejudicada por essa função. E se houver deprimência dos sentidos, levará o praticante ao suicídio." ... ""Seja como for, a masturbação quase ou mesmo diária acaba tornando-se um «vício solitário» indo criar um elemental artificial astral, que se alimentará dessas energias libido-passionais despendidas até chegar ao ponto do seu desejo ser mais forte que a vontade do seu criador, assim cortando-lhe ou captando-lhe o domínio da mente, que é o que significa mentecapto." Sobre este assunto do abuso do sexo, escreveu o Dr. Mário Roso de Luna "Aberraciones Psíquicas del Sexo" (Aberrações Psíquicas do Sexo):
"Quem se deleita em pensamentos sexuais, quem, grosseiramente, fala sempre de coisas íntimas do sexo, ou quem, por aberração imaginativa, se entrega patologicamente ou com excesso ao sexo, corre o grande perigo de vir a perdê-lo". 

(Abrindo um parenteses aproveito pra citar o que diz - com outras palavras, que não estas - Samael Aun Weor diz,  em o "Cristo Cósmico",  que aquele que se entrega por demais a luxuria, sexo e masturbação  acaba por se tornar  impotente sexual, de forma irremediável, em determinado momento de sua vida, além de não contribuir para o despertar de kundalini).

Para ler esta matéria completa clique aqui: Lusophia.
Celibato

Celibato, como diz o dicionário, é a "condição de ser solteiro e não ter a intensão de se casar e/ou manter relações sexuais". Isso não significa que a pessoa não pense em sexo ou se masturbe, ela apenas não pratica o sexo.

Castidade 

Castidade é a qualidade de quem é casto, segundo o dicionário ser casto significa: 

"Que tem pureza de alma, de corpo. Que se abstém de prazeres sexuais.
De acordo com as regras da decência, da pureza; Puro. Honesto. Inocente. Sem Maldade. Sem mescla".

Na verdade Castidade significa um conjunto de fatores e numa definição mais ampla podemos dizer que significa manter-se fiel aos bons valores, aos bons princípios, é respeitar o próximo (inclusive o Padre Fábio de Melo diz que podemos ser castos mesmo estando casado, ou seja, que a castidade não está presa ao conceito de fazer sexo)...  Ser casto é não ser desonesto, não ser ganancioso, não ser egoísta,  não se corromper, não se deixar dominar pela luxuria. 

A gente fica preso somente a questão sexual, porém luxuria não está relacionada apenas ao sexo, vai além, é a deturpação dos valores e princípios é a "prostituição" do caráter.  



Masturbação, celibato e castidade
Trigueirinho




---------------------------------------------------



Aqui eu deixo alguns links e videos pra quem quiser se aprofundar mais sobre o assunto.


Link 1: Gnosis On Line

Link 2: Adevir

Link 3: Lusophia



Conversinha ao pé do ouvido - Masturbação



Vida inteligente - amor e sexo

Padre Fábio de Melo - Castidade

sábado, 3 de novembro de 2012

Reflexão sobre o Ego - Jason Stefani



Por: Consciência Cósmica


O ego sempre tenta determinar a sua auto-estima com base na comparação com os outros. Essa comparação vem de uma compreensão limitada de quem você realmente é, e cria tanto complexos de superioridade e de inferioridade, os quais não servem você. Você é completo do jeito que você é, independente do que você faz, o que você possui, do que os outros pensam de você. Nada que você faça ou não faça adiciona ou retira a glória de quem você realmente é.

Você não veio aqui para competir com os outros. A competição que você tem é com você mesmo, e, portanto, tudo o que você precisa fazer é se esforçar para se tornar uma pessoa melhor a cada dia. Um broto não se torna uma flor, porque quer florescer mais do que o broto vizinho - ele faz isso porque é sua natureza florescer, e tornar-se uma flor que é o próximo estado natural da sua evolução. Da mesma forma, só precisamos crescer em quem realmente somos, ao invés de tentar se tornar alguém com base na comparação com os outros.

Jason Stefani

Publicado via Facebook em: Consciência Cósmica

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

O que é o ser humano?



Por: Ernani Eustaquio de Oliveira

Essa pergunta reveste-se de profunda significação filosófica. Vamos, para a responder, ater-nos à simplicidade. Comecemos por analisar um carro. Quando vemos um carro, em princípio, pensamos estar vendo algo por inteiro. Se formos avaliar, entretanto, um carro é constituído de vários componentes: Sistema de Ignição, Sistema Elétrico, Sistema Mecânico, Sistema Hidráulico, etc. Todos esses sistemas, funcionando de forma integrada, dão-nos a impressão de ser um todo agindo, um ser inteiro. Assim também é o computador: dissequemo-lo e, em vez de enxergarmos uma unidade, veremos um sistema operacional, um sistema de rede integrada, um sistema de interface com o usuário, etc. E, desta forma, tudo à nossa volta, em sua aparente unidade, é formada por componentes por partes, que, agindo em sintonia, em conformidade, traduzem a idéia de ser um todo operativo.

E o ser humano? Bem, o Ocultismo afirma que o ser humano também é formado por sete componentes que ele chama de princípios. O primeiro princípio é o Divino (é Deus no comando de tudo), o segundo é a chamada Alma Espiritual, do homem, que, na verdade, serve de canal, para que a Divindade se expresse em níveis mais grosseiros; o terceiro princípio é a chamada Alma Humana, é o ser, em nós, que pensa, responsável pelos nossos pensamento e ideação. O quarto princípio é nossa Alma Animal, ou a sede de nossas emoções e sentimentos, o quinto é o princípio vital, digamos, a corrente de vida que, como uma corrente elétrica, nos mantém vivos; o sexto é o duplo etérico, a matriz do corpo físico, num nível de expressão mais sutil, e finalmente vem o corpo físico (esse nós conhecemos sobejamente, porque o percebemos).

Esses sete princípios, operando, em integração, resultam nessa expressão chamada ser humano. Tudo nos vem da Divindade, mas essa energia divina, por ser muito espiritualizada, vai sendo “filtrada”, enquanto desce para se manifestar nos princípios mais densos ou mais grosseiros. Assim, por incompatibilidade de “ambientes”, a maior parte da pureza dessa energia vai sendo retida nos filtros, chegando uma parte insignificante ao corpo físico. É como a água e o óleo que não se misturam, enquanto o óleo não se refinar.
E nós podemos receber, com maior liberdade, essa energia divina? Podemos por meio de nosso próprio esforço e vontade, à medida que buscarmos nos tornar seres melhores.

E como tornar-nos-melhores? Tornando-nos menos egoístas e mais altruístas. Espelhemo-nos no Sol. Ele, de seu lugar, irradia luz e calor e ilumina todos os pontos da Terra (se isso não ocorresse, a vida morreria). O egoísmo nos faz concentrar a energia universal em pequenos pontos, e ela deveria, como a luz do Sol, fluir livremente, beneficiando a tudo e a todos.

Quando nos tornamos melhores, a energia divina, mais livre, permeia, com mais naturalidade, todos os princípios do ser humano, chegando ao corpo físico, que vai passando assim a ser a “expressão de Deus”.